Como fazer sexo ao telefone: as regras de ouro para se divertir

Escrito por: -

pink phoneÉ retrô a idéia de sexo telefônico? Com os potentes meios que dispomos atualmente as relações à distância se tornaram cada vez mais íntimas. E mesmo assim, o poder da imaginação mantem o seu recorde e em certos casos provoca um fascínio indiscutível. Além disso, o telefone pode ser usado em qualquer lugar.

Em e Lo decidiram sugerir algumas regras d’ouro para desfrutar o sexo telefônico com a própria cara metade do outro lado da linha ou com alguém com quem ainda não aconteceu realmente o contato físico completo e que se queira experimentar esse momento de prazer antes do grande momento ao vivo. Acrescento que a ansiedade de prestação pode ser tal e qual àquela de encontrar-se ao vivo, cara à cara, mesmo que pareça difícil de acreditar, visto que não existem os “pneus” para esconder e sutiãs mágicos para desencadear. Mas vamos ao que interessa.

Prepare-se com um fone de ouvido, porque as mãos devem estar rigorosamente livres para se mover. Até porque você não vai querer ter cãimbras no pulso por ter que segurar o telefone durante horas, certo? A vantagem de sexo por telefone está no fato de que a duração pode ser superior ao sexo ao vivo.

Não parta diretamente ao ataque com grandes performances explícitas, porque se quem está do outro lado conhece você como uma garota tranquila, ao invés de ficar surpreso positivamente poderá provocar um certo temor, até porque não podendo ver o rosto não poderá perceber o quanto é auto-ironia e o quanto é verdadeira a sua intenção.

Naturalmente não serão somente as palavras que terão espaço, mas também os suspiros e gemidos, como é óbvio. O olhar infelizmente não poderá ser utilizado, nem o tato, os perfumes, o compartilhar o mesmo ambiente que aos poucos começa a arder. Portanto, é preciso apostar tudo na voz e desfrutar de todas as suas declinações e cores. Não sabem por onde começar? Usem palavras de outros autores lendo algo de sensual - um pequeno trecho de um livro, uma poesia picante. Depois que a coisa começar será mais fácil usar os próprios recursos.

A escolha da linguagem? É muito pessoal. Você pode ser amigável, metafórica e poética ou direta, nua e crua, sem vergonha. Poderá ser a ocasião de experimentar modos expressivos que ao vivo você não teria coragem de tentar. Mas um pouco de ousadia é preciso, afinal você está fazendo sexo por telefone, não será o fim do mundo uma palavrinha um pouco mais “caliente”.

Porém, as estradas podem ser diferentes também neste caso. Você pode pedir um pouco mais de interação perguntando como se sente, o que está sentindo, o que está fazendo, coisa gostaria que você fizesse, como imagina que você esteja vestida. É preciso brincar com a fantasia ou então o sexo telefônico perde o sentido. E paciência se você não estiver usando aquela lingerie sexy que acabou de descrever. Basta que funcione, mesmo que seja imaginário.

A regra mais preciosa de todas é: não ria do que o outro disser, mesmo que pareça esquisito, absurdo, ridículo e desmonte em dois segundos a excitação. Senão a magia se rompe, cria inibição. Se não estiver gostando de como as coisas estão indo, tome a iniciativa e controle o leme levando o barco para onde quiser viajar.

Pela mesma razão, não se auto-censure, divirta-se. O bom senso aconselha não dizer nada daquilo que amanhã uma pessoa possa se arrepender ou se envergonhar quando se encontrar novamente olhos nos olhos com o outro, mas também é preciso um pouco de ousadia para tornar as coisas mais vivas e excitantes, não?

Foto | Flickr

Votar no artigo:
4.00 nos 5.00 baseado nos 2 votos.